“Alô, quer ser meu amigo?”

O meu celular tocou, o identificador de chamadas mostrou um número fixo desconhecido. Não costumo atender números desconhecidos, mas atendi.

-Alô. Você é chinês ou estrangeiro? – Perguntou um homem em chinês.

-Sou estrangeiro, por que? – Não gostei do tom de voz dele mas resolvi continuar a conversa, mesmo sabendo que era perda de tempo.

Eu estava no estação de metrô de Fuxingmen com duas amigas – a Carmen e a Camila – esperando a Bruna, uma brasileira recém-chegada que nos acompanharia em uma festa brasileira. Ela ainda demoraria alguns minutos para chegar e eu poderia perder algum tempo com esse telefonema.

-Se eu falar em chinês, você entende? – Ele perguntou, empolgado.

-Entendo, mas não muito bem. Fala devagar que vou tentar entender.

-Eu sou chinês e não tenho amigos estrangeiros. Quer ser meu amigo?

Eu entendi muito bem a pergunta, mas achei que podia estar enganado, que ele teria dito outra coisa. Afinal, ninguém sai por aí procurando amigos por telefone.

-Repita o que você falou. Não entendi muito bem – pedi.

-Eu não tenho amigos estrangeiros. Você quer ser meu amigo?

-Como você conseguiu meu telefone? – Perguntei, um pouco indignado.

-Você quer ser meu amigo ou não? – Ele insistiu.

-Não, não quero!

-Mas por que? – Ele quis saber.

Pelo tom de voz, percebi que ele não gostou da minha resposta. Naquele momento, eu não sabia se ria, ficava brabo ou sentia pena. Apenas respondi, curto e grosso.

-Não tem motivo.

-Por que? – Ele perguntou, em inglês, ainda mais indignado.

-Não quero ser seu amigo! Não me ligue mais! – E desliguei o telefone.

Eu já havia sido abordado na rua várias vezes por desconhecidos em busca de amigos ou de alguém para praticar o inglês. Mas nunca imaginei que uma pessoa me faria uma proposta dessas por telefone. Não sei se ele realmente estava procurando um amigo ou se queria me dar algum golpe. Será que existe alguém que já encontrou amigos assim? Que tipo de pessoa se usa desse artifício para conquistar uma amizade? Será que isso acontece no Brasil também?

Achei que ia perder o sono por causa disso, mas tomei uma cerveja e uma caipirinha e dancei um samba e logo esqueci o que tinha acontecido. Ainda bem que anotei para publicar no blog depois.

Comentários (1)

 

  1. Thiago says:

    Richard, você quer ser meu amigo?
    hehehehe

    Tá cada vez mais incrementado esse blog, hein!?

    Diz aí: quando teremos amantenobrasil?